Oliver é um menininho lindo que, aos 2 anos de idade, começou a apresentar sintomas característicos de autismo. Depois de MUITA pesquisa descobri que o fator que MAIS contribuiu para o aparecimento dos sintomas que o meu filho apresenta hoje - entre outros - é a toxicidade das VACINAS, leia aqui. Felizmente, também descobri a ajuda maravilhosa que a HOMEOPATIA pode proporcionar, leia aqui. Seguindo o exemplo de muitas outras crianças que estão se recuperando todos os dias no mundo, vamos começar esta viagem com a desintoxicação das vacinas através da terapia CEASE, conheça clicando aqui. Essa viagem vai ser longa, mas temos muita fé que um dia chegaremos no nosso destino: a RECUPERAÇÃO TOTAL. Comece lendo o primeiro post: O começo da nossa viagem aqui.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

A Raiz REAL do autismo esta´ mesmo no intestino!

Para quem assistiu aquele programa fraquíssimo que o Fantástico da Rede Globo fez sobre o autismo com o Dr. Drauzio Varella, aqui vai um documentário recente IMPERDIVEL que explica como antibioticos afetam a flora intestinal, e como vacinas causam acumulo de metais pesados, causando o desquilibrio do sistema imunologico, que se torna ineficaz para impedir a proliferação de bacterias patogenicas - que ao liberar toxinas acabam afetando o cerébro - e infeccoes virais cronicas.


Este é problema dos nossos filhos autistas! E o seu problema é tratável! 


Para ver o documentário, é só clicar em cada um dos links abaixo... tem legendas em português.


Assista pelo menos o começo da parte 2 para ver o depoimento da mãe. Ela conta que deu antibiotico por 8 semanas para o filho, para tratar a proliferação de uma familia de bacterias chamada Clostridium (comum no intestino de crianças autistas).

Você vai ver como o menino melhora em seguida com o antibiótico, mas acaba retornando aos velhos sintomas porque os esporos da bacteria voltam a se proliferar ja' que o antibiotico não é capaz de matar os esporos.

Por isso lembre-se, nunca de remédios psicotrópicos para a criança autista, porque você só vai estar contribuindo para piorar o problema não estará tratando o que deve tratar... os metais pesados acumulados nos tecidos do corpo, e  infeccoes no intestino e no cerebro!

Vamos cuidar da dieta dos nossos filhos, evitar antibióticos e vacinas, e para quem gosta da homeopatia como eu, devagarzinho tentar reverter  este problema. 

Com muita fé, chegaremos lá se Deus quiser!

terça-feira, 16 de julho de 2013

Fim da Desintoxicação da Triplice bacteriana Difteria-Tetano-Coqueluche

Depois de 4 meses terminamos de desintoxicar a vacina triplice bacteriana Difteria-Tetano-Coqueluche. Este ano tambem desintoxicamos a Amoxicilina, a Triplice Viral Sarampo-Caxumba-Rubeola (veja posts da lista de posts). 

Provavelmente faremos mais uma rodada de um mês no futuro mas não agora. As reações nao foram agudas. Vejo que a medida que o meu filho melhora, as reações se tornam bem mais faceis de lidar.

Nestes muitos meses que se passaram, quem seguiu meus posts anteriores, vinha lendo os nossos desafios e também leu bastante sobre como funcionam as desintoxicações. 

Portanto hoje eu vou fazer só um comparativo de até onde chegamos com a ajuda da terapia CEASE, de 3 suplementos (vitamina C, zinco e oleo de peixe) e de uma dieta sem gluten e sem caseina, mas tambem sem soja, sem acucar, sem arroz e sem batata (esses 2 ultimos re-introduzimos ha pouco tempo)!

Um ano de terapia CEASE, comparativo do inicio em Maio de 2012 (com 2 anos e 5 meses de idade), até junho de 2013 (3 anos e 5 meses de idade):

- o meu filho só queria assistir DVDs, e ele pedia para mudar de DVD depois de assisti-lo por 30 segundos (falta de concentração)

Hoje ele assiste filmes inteiros no DVD sem nenhuma interrupão, ri, aponta os personagens na tela para mostrar para os pais

- ele mais olhava para os numeros no leitor de DVD ou de CD do carro, do que para o proprio filme. Tinha obsessão com numeros, obsessãoo em sair de casa com um brinquedo em cada mão, depois com fechar todas as portas antes de sair de casa, e outras menores que nao me lembro agora. A medida que foi melhorando e começou a pedir que lessemos para ele, ele desenvolveu uma obsessão com determinados livros, tinhamos que ler o mesmo livro várias vezes, e não podiamos ler uma palavra errada, ele as conhecia de cor! (obsessões)

Todas as obsessões apareceram, pioraram e depois melhoraram com o passar das desintoxicações. Ele não tem mais nenhuma obsessão, NENHUMA, todas as que cito acima passaram.

- era im-pos-si-vel levá-lo no supermercado para fazer compras. Ele esperneava e gritava até ir embora, e assim era para tudo. Se eu precisasse de ovos, eu tinha que esperar o meu marido voltar do trabalho e ir comprar, viviamos em um stress constante de como ele iria reagir dependendo de onde quisessemos ir, tinhamos que fazer um malabarismo horroroso para conseguir comprar qualquer coisa. Ate em loja de brinquedos ele não queria entrar (rigidez, impaciencia).

Nossa, aqui, a nossa vida mudou 360 graus. Há dias em que ele está um pouco mais cansado e reclama um pouco, mas nem um pouco dificil de persuadi-lo. Inclusive, gosta de sentar no carrinho do supermercado e ajudar jogando as mercadorias no carrinho. Embora ainda seja bem impaciente, ele ainda reclama demais se tiver que ficar sentado no carrinho numa fila.

- ele tinha verdadeiro horror de areia, e nem queria segurar a banana para come-la - a sua fruta preferida - as vezes se machucava e mal parecia sentir dor (problemas de integracao sensorial tactil)

Ele passou a segurar a banana no fim da desintoxicação da amoxicilina. Sente muito mais dor quando se machuca. E sobre a areia, uma foto diz mais que mil palavras J


- ele não atendia o nome na grande maioria de vezes, o contato ocular com os pais era... médio (falta de contato ocular)

Ele responde ao nome sempre. E quanto ao contato ocular... hoje ele fica o tempo todo pedindo para que eu tire os óculos de sol se estiver usando um, para poder ver os meus olhos.

- ele não atendia quando eu pedia, por ex. a esponja para ele no banho, ou tinha a menor ideia de onde ficavam as partes do corpo

Hoje ele atende tudo, conhece todas as partes do corpo e aponta pra elas se solicitado

- ele parava ao lado do balanço chorando sem me buscar com os olhos esperando que eu chegasse para balança-lo, ou caia e se machucava e não me buscava para consolá-lo, não apontava para mostrar o que queria (comunicação ruim)

Agora vem e me puxa mesmo!

- ele deitava no berço e me ignorava, olhando para o teto quando eu pedia um beijinho de boa noite (falta de vinculo e afeto)

Oh meu Deus, é a criança mais carinhosa do planeta, me da´ uns 100 beijinhos nos lábios por dia

- ele ignoraria totalmente os meus sentimentos se me visse chorando ou se eu o desse uma bronca (falta de empatia e reconhecimento de expressões faciais)

Ele me viu chorando outro dia, veio e ficou olhando nos meus olhos e me dando beijos. 

Entende perfei-ta-mente quando não gostamos de alguma coisa se lhe damos uma bronca. Se ele fica muito perto da TV, eu chego na sala, olho com cara feia, ele corre para o sofá!

- se eu estivesse deitada na cama – eu podia estar doente – ele vinha e se sentava em cima do meu rosto, muitas vezes, me machucava bastante, sem a menor noção

Isso não existe mais, graças a Deus, embora eu ache que ele ainda não sabe o que significa “machucar as pessoas”, mesmo que eu repita pra ele que algo machuca e que não pode

- ele saia correndo em disparada sem olhar para trás e era facilimo perde-lo na multidão

Hoje ele corre, mas em geral olha para trás, e se chamamos, ele volta.

- ele teve varios tics diferentes, nem lembro de todos, uma epoca encostava os dentes na minha mão, depois pressionava o lado do rosto nos meus braços e pernas constantemente, passou os ultimos dois meses pulando taannnto do sofá (onde fosse, no meu apartamento, na casa dos amigos quando iamos visitá-los...), a ponto de que a minha vizinha não olha mais na minha cara, e com razão! (obsessões)

Todos os movimentos repetitivos sumiram. Não pula mais como antes, só pula no lugar quando ele fica muito contente, ou está assistindo algum DVD que gosta e tem música.

- ele não tinha interesse ou entendimento de jogos de memoria ou quebra-cabeças, e não tinha nenhum sinal de imaginação e fantasia, como dar comida pra boneca, ou imaginar um aviãozinho voando (falta de imaginação)

Ele já dominou jogos de memória, faz quebra-cabeças de quase 50 peças, conhece todas as letras e agora, finalmente... está começando a mostrar sinais de imaginação! Eu agora digo “da um beijinho no cavalinho”, ele beija, ou faz o cavalinho beijar a vaquinha. Ou faz os bonecos escorregarem numa rampinha como se se fosse um escorregador, atende o telefone quando toca,brinca mais com carrinhos. Ainda há muito o que progredir aqui, mas pelo menos começou!

- ele parava do lado da porta da escolinha chorando para ir embora depois de ter ficado lá uma hora e meia (socialização pobre)

Agora está totalmente integrado na escola, adora, vai todos os dias da semana, e felizmente está sendo auxiliado por um cuidador, para ficar quietinho na hora de comer na mesa. Eu tenho recebido relatórios de progresso, de que ele está cada vez mais, aos poucos, se juntando ás atividades. A socializacão dele ainda é pobre. Ele fica ao redor das crianças tranquilamente, e interage ás vezes, mas não toma a iniciativa ou procura alguma em particular. Se eu visito uma amiga que tem filhos da mesma idade, eles só vão brincar juntos se um perseguir o outro, senão ele interage muito pouco ainda.

E a fala... devagar, continua dizendo somente umas 3 ou 4 palavras. Mas ela vem, ela vem, somos pacientes!

Vamos ter um descanso de 2 semanas e provavelmente vamos desintoxicar agora a oxitocina que tomei para induzir o meu parto e a pelidural. A homeopata está decidindo. Estou muito contente com os resultados e ansiosa para ver os progressos que as próximas desintoxicações vão trazer. Continuamos a dieta e não pretendo pará-la, embora ele esteja agora comendo um pouquinho de batata e um pouquinho de arroz integral, por recomendacao do medico ao analisar os exames, ja que como o Oliver e' muito ativo, ele precisa de mais carboidratos. Mas eu ainda estou muito receosa e dou pouco.

Como já contei visitamos um médico DAN muito renomado (Dr. Daniel Goyal), que elogiou a dieta e receitou antibioticos para matar bacterias depois de ver o resultado dos exames de fezes. De acordo com o resultado do exame de metais pesados, o Oliver os está eliminando muito bem, obrigada! O próprio médico disse que esta quelação é, sem duvida, graças a homeopatia e que ele mesmo já viu a homeopatia “em ação” depois de fazer exames numa criança antes e depois de tratamento homeopatico. Mas como não queremos dar antibióticos para ele, esse tratamento está em standby.

Fomos a uma naturopata também de bastante prestigio aqui em Londres (Lucinda Muller), ela receitou remédios mais naturais para as bactérias e outros suplementos, mas depois de pesquisar, ouvir testemunhos de outros pais, ler sobre efeitos colaterais, a minha intuição me diz, mais uma vez.... que, embora seja tentador, ainda vamos seguir com a homeopatia até o dia que o desenvolvimento dele estagnar, ocasião em que cogitaremos outras alternativas. E eu, por algum motivo, gosto de ir devagar com os suplementos...

E assim vamos levando. Tentando estressar menos com o futuro, eu me sinto muito melhor e mais confiante agora. Sempre aplicamos os principios da terapia floortime em casa, de forma que damos muita atenção a ele, brincamos bastante, o desafiamos para que interaja conosco e o enchemos de amor. 

Ele esta fazendo uma hora de terapia ocupacional por semana e pretendemos que ele tenha mais uma hora por semana pelo menos. Ele está numa escola excelente, e tem bastante estímulo lá. Continuamos com sessoes mensais de osteopatia.

Então é isso, meus amigos. 

Como alguém disse por aí: o fácil eu já fiz, o difícil eu estou fazendo, e o impossível... o impossível eu deixo na mão de Deus!


Lá vamos nós, com fé, SEMPRE!

sexta-feira, 5 de julho de 2013

O neuro receitou Risperidona... e agora, dar ou não dar?

Atualmente, existem várias opções de tratamento para as crianças no espectro de autismo, dietas adaptadas, suplementação, terapia ocupacional, homeopatia, e como todo mundo sabe, os remedios psicotrópicos comumente receitados pelos neurologistas.

Um dos mais conhecidos dos pais é um remedio chamado Risperidona, mas há muitos outros com características muito similares. E quando um neurologista prescreve um remédio psicotrópico, eu imagino que muitos pais ficam na dúvida de dar ou não dar. "Mas o médico é o especialista, não é verdade. Se ele receitou, ruim não pode ser". E acabam tentando.

Como todo mundo sabe, cada criança tem sintomas totalmente diferentes dentro deste espectro enorme chamado autismo, com características totalmente individuais, e obviamente cada uma delas reage de uma maneira diferente a estes remédios. É impossível prever.

Algumas crianças inclusive, reagem de uma forma positiva, muitas vezes por alguns anos.

Mas os nossos filhos vão crescendo, e um dia eles serão adultos. Enquanto são crianças, de certa forma, o comportamento é controlável e tolerável. Eles são lindos, mesmo com as suas manias diferentes das outras crianças. E sabe-se que com a chegada dos hormônios da adolescência, a criança do espectro manifesta ainda mais a sua agressividade.

Por isso, quando eu penso no autismo do meu filho eu penso no futuro dele, não neste momento, no agora. Porque o autismo 'e comprovadamente um diagnostico temporário, que pode mudar, e ninguém, repito ninguem, 'e capaz de prever como a criança vai se desenvolver.

E nesse hora eu penso seriamente nestes remédios. Eu olho para estes rapazes com autismo grave que são totalmente dependentes dos remédios e morro de pena. Morro de pena porque a sua vida na fase adulta e a sua dependência existe exclusivamente por causa da decisão que os seus pais tomaram lá atrás, na infância, sem talvez realmente pensar nas consequencias.

Será que a criança, se tivesse podido escolher, teria optado pelos remédios psicotrópicos?

Um exemplo: veja este video que mostra como este jovem autista brasileiro sofre com a dependência dos remédios.

Eu venho pesquisando há algum tempo todos os tratamentos disponíveis e de uma coisa eu hoje tenho certeza: no momento em que o médico opta por receitar remédios psicotrópicos como a Risperidona, ele esta tentando controlar os sintomas da criança no presente, e está jogando TODAS as possibilidades de recuperação futura da criança PELA JANELA. É uma decisão imediatista. 

Os remédios comprovadamente só acalmam ou controlam a agressividade, a irritabilidade, mas ela continua lá, dormente. Eles criam uma falsa sensação de controle, uma concentração e atenção artificiais, porque no momento em que a criança pára de tomar o remédio, esse progresso desaparece e ela regride.

Os remédios como a Risperidona nunca ajudarão a melhorar os sintomas de autismo da criança de nenhuma forma, não vão fazer com que a criança progrida.

POR QUÊ? 

Porque a criança apresenta atraso no desenvolvimento, falta de atenção, sensibilidade aguçada, hiperatividade (ou falta total de atividade, os casos variam), porque a criança apresenta:

1. acúmulo de metais pesados no cérebro, como mercúrio e alumínio (de forma geral, por causa da vacinas, já que muitas vacinas ainda contém mercúrio, e todas contém taxas de alumínio muitas mais altas do que o permitido, metal pesado altamente tóxico). Metais pesados acabam se alojando no cerébro porque a criança tem dificuldade de eliminação, o que prejudica o funcionamento do cérebro e consequentemente, do sistema imunológico, causando tudo que você vai ler nos próximos itens...
2. proliferacão de bacterias patogênicas, fungos e parasitas no intestino que o tornam permeável,  inundando seu corpo diariamente com toxinas que o tornam hiperativo, que causam tics, e atrapalham na concentracão,
3. deficiências nutricionais, como falta de zinco, magnésio, outros minerais ou vitaminas, o que prejudica o desenvolvimento, ou fazem por ex., com que a criança morda tudo o que vê pela frente, de roupa a sofá,
4. alergias e intolerâncias alimentares que o irritam constantemente.

Ou seja, para que fique bem claro: por ex., a sua unha não pára de doer. Daí você descobriu que a sua unha dói porque você tem uma infecção bacteriana ali. Eu te pergunto: você vai tentar tratar a infecção bacteriana ou você vai continuar tomando remédio para passar a dor da unha? 

Ou seja, a Risperidona vai dopar a crianca para "abafar" todo esse enorme rebuliço fisiológico que está acontecendo dentro dela, de uma forma artificial. Não vai curar nada.

PORTANTO: o que precisa realmente ser tratado são os sintomas citados: 1. o acúmulo de metais através do tratamento de quelação de metais, 2. a proliferacao parasitaria e fungica, com tratamento com antiparasitarios e antifungicos, 3. as deficiencias nutricionais, com dieta adequada e suplementação. 

Todo médico sabe que remédios como a Risperidona só podem ser tomados por um período de tempo. É essencial mudá-los de tempos em tempos por causa dos efeitos colaterais.

A criança então, toma Risperidona por 1, 2 ou 3 anos. E depois disso? E quando ela completa, 10, 13 anos de idade?

A verdade, leitor, é que a vida da criança vai se tornando um pesadelo. Porque além de não ter tratado nenhum dos seus sintomas existentes, ela vai começar a desenvolver muitos outros problemas advindos do consumo de remédios, problemas que a criança nunca teve. Os problemas gastrointestinais podem piorar, sem falar nos problemas neurólogicos que a criança passará a desenvolver justamente por conta do consumo do remédio, como convulsões e tics nervosos.

Não se enganem, o futuro é negro, e não importa o que diga o neuro. Haverá aumento de peso, você talvez venha a precisar de outros remédios para controlar refluxo, acidez estomacal, problemas no fígado, nos rapazes haverá surgimento de mamas, e a alta probabilidade de que a criança/adolescente venha a ter convulsões.

Que ninguém se engane que a criança que toma Risperidona (ou similar, Risperdal, Ritalin...)  vai melhorar por milagre, a tendência é a de que, sem dúvida, os sintomas da criança se mantenham mais ou menos os mesmos, ou piorem. E como isso vai acontecer, não existe médico no mundo capaz de prever.

Todos se lembram do caso do adolescente que matou várias criancas a tiros na escola em Sandy Hook em 2012, nos EUA.

Este artigo lista os nomes de todos estes adolescentes dos EUA envolvidos em casos de assassinatos em escolas e ataques psicóticos similares, e todos eles tinham histórico de consumo de remédios psicotrópicos. Isso é algo muito sério, que estes remédios sejam capazes de criar um quadro psicótico em uma criança.

Eu me pergunto, os pais tem noção disso? Eles tentam imaginar os próprios filhos com 20 anos de idade quando eles aceitam adotar o uso de um remédio deste tipo? Se se perguntam que futuro estão oferecendo para os seus filhos quando lhes dão remédios?

Isso sem falar que a Risperidona não tem qualquer comprovação cientifica de eficáciaA Risperidona e' um remédio chamado de "off-label" pela comunidade médica internacional. Remédio "off-label" - em inglês - e' o nome que se dá a todos aqueles remédios que são receitados pelos médicos para tratarem certas doenças para as quais nunca foram testados.

Por que isso acontece: os laboratórios farmacêuticos gastam muito dinheiro em pesquisas com remédios, pesquisas duram anos, processos de patentes também. Quando o remédio passa a ser comercializado e não vende muito porque o remédio do laboratório da concorrência é melhor, o laboratório farmaceutico procura uma nova finalidade para o remédio, pra vender mais.

É o que acontece com os remédios prescritos para crianças autistas. Eu não conheço nenhum remédio testado com a população autista. Estes remédios um dia foram testados em adultos para tratar doenças como, por exemplo, a Sindrome de Alzheimer, mas como o remédio não está trazendo lucro... lança-se uma nova campanha de propaganda, e "re-inventa-se" o remédio. Os propagandistas passam a visitar os médicos semanalmente e fazem propaganda de que o remédio tem produzido efeitos positivos em crianças autistas. E os médicos então, passam a prescreve-lo.

Foi o que aconteceu com a Risperidona. A Risperidona foi um dia testada para tratar esquizofrenia. Os ensaios clinicos foram feitos com adultos. A Risperidona nunca foi testada em crianças

Ou seja, quando a a criança toma Risperidona, ela está tomando um remédio fortíssimo para tratar adultos que sofrem de esquizofrenia! 

Este relatório de 2011 coleta toda a informação que existe sobre as provas existentes de eficácia da Risperidona (e outros 4 remedios). Na página ES-4 há uma tabela que mostra as evidências de eficácia da Risperidona no tratamento de crianças, dividido em ansiosas, bi-polares e com atraso mental

As legendas que constam na tabela para a Risperidona são somente: BOLINHA - não há informação sobre prova de eficácia, + COM FUNDO AZUL CLARO - pouca ou muito pouca prova de eficácia. 

Vale lembrar que a Risperidona pode causar aumento de peso e diabete tipo 2, efeitos secundários nos nervos motores (tics nervosos - tardive dyskinesia), e é por isso que não se pode utilizar Risperidona a longo prazo.

Veja aqui um video com explicação sobre a falácia que é a Risperidona.

Eu morro de pena de criancas que tomam remédio, mas com isso NÃO estou julgando os pais. Porque os pais seguem a orientação dos médicos! 

Dá pra julgar os médicos? De certa forma, poderia se dizer que.... não, se considerarmos que nem mesmo eles conhecem bem os remédios que receitam.

E como eu estou aqui fazendo essa afirmação?

O psiquiatra inglês Ben Goldacre acabou de lançar - em 2013 - um livro bastante completo chamado BAD PHARMA ("A Má indústria farmaceutica") onde ele explica detalhadamente como, enquanto psiquiatra, tem uma dificuldade imensa de decidir que remédios receitar. Porque quando ele tenta procurar todos os estudos que foram feitos sobre um determinado remédio que vai receitar, a informação completa sobre efeitos colaterais quase nunca está disponivel, porque os ensaios clinicos cujos resultados foram negativos - ou seja, cujos efeitos colaterais prejudicias seriam suficientes para que a sua comercializacao fosse rejeitada pelas autoridades competentes - não chegam a ser publicados na literatura médica! 

Assista o Dr. Ben Goldacre neste video, é muito interessante. Ele explica como os médicos não conhecem os remédios que receitam, e dá alguns exemplos reais que embasam o seu argumento.

O processo de produção de medicamentos, do momento dos estudos iniciais até o final, do controle por parte das autoridades que regulam a industria farmacêutica, é totalmente irregular, e porque não dizer, corrupta, um verdadeiro fracasso.

Os ensaios clinicos de remédios são planejados de forma parcial, para produzir resultados favoráveis, de forma que o laboratorio farmaceutico consiga comercializá-los. Os interesses são somente financeiros $$. 

Uma vez que o laboratório tem a autorização para comercializar o remédio, os médicos são bombardeados com propaganda positiva do remedio, que pode-se dizer que é na verdade FALSA, porque é incompleta. Voce já ouviu falar de médico que vai pra Disney com a família com tudo pago por algum laboratório farmaceutico? Isso acontece, minha gente. Os laboratorios farmacêuticos são riquíssimos. 

Vejam um exemplo nesta noticia de hoje:  "As alegações são feitas após alegações anteriores semelhantes de que a equipe de vendas do laboratório farmacêutico GlaxoSmithKline -GSK na China,  oferece aos médicos dinheiro, jantares e todas as despesas de viagem pagas para que receitem o Botox da GSK. Estas alegações, relatadas ao Wall Street Journal por uma fonte anônima, são de que a equipe de marketing da GSK na China tinha planos de dar quantias em dinheiro a médicos para cumprir "quotas" de prescrição do seu produto entre 2004-2010".

Em 2009, a famosa marca Pfizer foi condenada a pagar 2 bilhões de dolares por fazer marketing falso de remédios aos médicos, veja aqui.

O seu neuro, na grande maioria das vezes, ignora totalmente muitos dos efeitos colaterias dos remédios que prescreve, e justamente por isso, ainda os prescreve, porque a informação não está disponivel, ela desaparece. 

Esse post é pra você pai e mãe, cuj@ filh@ ainda é criança: ele tem muitas chances de melhorar e de se recuperar. Como sabemos, através de terapia ocupacional, de amor, da restrição na dieta, de suplementação sob o tratamento "biomedico" (antigamente conhecido como tratamento "DAN! - Defeat Autism Now"). Há muitas opções. E muito mais, muito mais, com o tratamento homeopático.

Eu imagine o meu filho adulto. Se ele crescer como o pai, o que provavelmente vai, ele terá quase 2 metros de altura... Assusta pensar nas dificuldades que terei ao tratar um adulto com 2 metros de altura quando eu tenho 1.60 de altura.  

Eu já li as experiências de muitos pais e sei que os pais que tentam outros tratamentos por um período de tempo, constatam que JAMAIS precisarão dar remédios psicotrópicos.

Reflita: se o seu filho tivesse tido a opção de escolher, talvez ele NUNCA optasse por tomar remédios psicotrópicos. 


Eu amo o meu filho demais para fazê-lo de cobaia de um remédio para tratar sintomas para os quais nunca foi testado. 

E eu rezo para que Deus esteja ao nosso lado, e nos ajude para que NUNCA tenhamos que dar remédios psicotrópicos pra ele.

Atualização de 12 de julho de 2015

A retirada dos remédios psicotropicos é possivel! 

Conheça a historia deste rapaz na página do facebook Padres Autistas en Acción! (Risperdal é o nome da Risperidona no mercado de lingua espanhola). Não espere mais nenhum dia para tomar uma atitude para mudar a vida do seu filho. Não aceite quando o médico diz que o autista não pode melhorar. Adote uma dieta saudável e procure tratamentos que são capazes de trazer progresso real!


quarta-feira, 24 de abril de 2013

1a. rodada da desintoxicação da Triplice Bacteriana Difteria-Tetano-Coqueluche


Finalmente terminamos a desintoxicação da triplice viral do sarampo-caxumba-rubeola.

A desintoxicação durou quase 4 meses. No final  ele andava bem agitado, pulando muito. Eu não sei se ele andava pulando por causa dos efeitos finais da desintoxicação, se foi por causa do leite de camelo que ele começou a tomar (mas tomou por um mês e paramos) ou se foi por alguma outra que eu não consegui descobrir.

O fato é que começamos a desintoxicar a vacina triplice bacteriana contra difteria-tetano-coqueluche!

Esta é a vacina que os bebês tomam as 8 semanas de vida, com repetição as 12 semanas e as 16 semanas. Tão novinhos! Ou seja, esta foi realmente a primeira vacina que o Oliver tomou. Eu sempre acreditei que os problemas dele começaram muito antes do que a triplice viral dos 12 meses e certamente seria uma desintoxicação importante para se fazer.

Já fizemos um mês de desintoxicação, 4 semanas na mesma potência 30C. Semana que vem vamos entrar na potência 200C (e depois há mais duas potências, 1M e 10M). Como já expliquei antes, cada potência trata campos diferentes fisico, mental, emocional.

Ele tem reagido bastante a esta vacina. De forma geral, nos dias que reage fica dificil de lidar, fazendo birras, ou chora muito, e muitas vezes tem reações como quem não sabe o que quer.

Nestes últimos 2 meses ele tem se comunicado muito mais do que antes!

A última lembrança que tenho dele no parquinho antes de o inverno começar, lá por outubro, era a mesma cena que se repetia há meses. Ele corre para o balanço e fica lá em pé, parado do lado do balanço, esperando que eu me aproxime. Ás vezes grita, mas nunca procura olhar pra ver onde estou, ou me chamar, eu é que tenho que chegar perto e colocá-lo no balanço.

Seis meses mais tarde, semana passada, fomos ao parquinho pela primeira vez depois deste longo inverno. Ele correu para o balanço, e vendo que eu não vinha, correu para minha direção e me levou até o balanço me puxando pela mão!!

Este é uma melhora muito boa na comunicação. Hoje em dia, se ele quer ver TV, ele nos leva ate a TV ou traz o controle remoto, aponta para tudo o que quer, o contato visual conosco está muito, muito bom.

Ah, seis meses atrás contei aqui no blog como eu brincava com ele no banho e tentava em vão fazer com que ele apontasse as partes do corpo. Ele mal respondia, submerso nos seus pensamentos. Hoje em dia, ele aponta todas as partes do corpo e na verdade, inicia a brincadeira, olhando pra mim, sorrindo e apontando para os proprios olhos para que eu diga “olhos!”

A barriguinha dele que era bem distendida esta diminuindo gradualmente e ele tem mostrado bem mais interesses por brinquedos que ele mal olhava antes, como trem, o castelinho com personagens e carros na garagem.

Nós continuamos na mesma dieta (tipo SCD/GAPS)
- evitando determinados carboidratos que contenham gluten, grãos como arroz, e batata (ele come bastante abobora!),
- comendo todo tipo de proteina animal,
- verduras e legumes, frutas como banana (madura!!) e pera,
- sopas com caldo de galinha ou carne caseiro,
- as vezes faço bolachas com farinha de amendoa,
- gorduras saudavéis como oleo de coco, oleo de linhaça e oleo de oliva. 
- mel puro manuka
- continua tomando como  suplementos, zinco, multivitamina com várias vitaminas B, vitamina C, oleo de figado de bacalhau.

 Tivemos uma consulta com o famoso médico ambientalista Dr. Daniel Goyal. Ele me parabenizou por ter colocado o meu filho na dieta bem cedo, e por estar fazendo osteopatia mensalmente. 

Ele conhece a terapia CEASE e me apoia, e requisitou os nossos primeiros exames de fezes, urina e cabelo. Os resultados so' saberei semana que vem. 

O Oliver continua indo na escola 2 dias por semana o dia todo e agora tem um cuidador que fica o tempo todo com ele. A socialização continua pobre e embora esteja imitando sons, ele ainda não começou a falar. 

Mas está muito adaptado na escola, fica em volta das crianças sem se distanciar delas, participa na hora de cantar musiquinhas, temos ido numa aulinha de dança que ele adora e tenta seguir todos os movimentos da professora e eu acho que até o final do ano, teremos muitos progressos.  

Estou lendo o livro sobre a terapia Floortime do medico americano Stanley Greenspan (The Child with Special Needs) e estou gostando muito e tentando aplicar o que ele ensina, o que basicamente significa seguir as ações da criança, tentar conseguir o máximo de interações com ela possível, com a finalidade de desenvolver estas etapas iniciais da comunicação e socialização  que ele talvez tenha perdido. A Claudia Marcelino, escreveu um post excelente sobre como estimular a crianca autista a falar, e eu acho os principios muito parecidos com os principios do Floortime, veja AQUI. 

Na nossa casa o que não falta é dedicação e amor, graças a Deus.
E lá vamos nós com muita fé!

quarta-feira, 27 de março de 2013

TERAPIA CEASE - PERGUNTAS E RESPOSTAS


O que é a terapia CEASE? 

A terapia CEASE é pouco conhecida no Brasil mas é muito conhecida na Europa, nos EUA e no resto do mundo. A terapia CEASE (sigla inglesa de Complete Elimination of Autistic Spectrum Expression – que significa Eliminação Completa dos Sintomas do Espectro do Autismo) é um tratamento homeopatico criado pelo homeopata holandês Tinus Smits.

Após tratar crianças autistas com homeopatia unicista, ele descobriu que algumas progrediam até certo ponto e acabavam regredindo. Ele cogitou a possibilidade de o acumulo de vacinas e antibioticos estarem bloqueando a ação dos remedios homeopaticos, ou pior... serem os verdadeiros causadores dos problemas das crianças, quer seja pelos ingredientes nocivos que contem ou por problemas causados pela injeção dos virus na corrente sanguinea. Ele decidiu fazer um experimento: dar para as crianças todas vacinas e os antibioticos (em formato homeopatico) que a criança tomou ao longo da vida para ver o que acontecia.

Usar a substancia causativa de um sintoma, diluida centenas/milhares de vezes como remedio para curar o próprio sintoma é um tratamento conhecido na comunidade de Homeopatia como Isoterapia.

As vacinas e os antibióticos são dados para criança em formato homeopatico. Ou seja, como qualquer outro remedio homeopatico, a substancia principal é diluida centenas, milhares de vezes para ser utlizada na produção do globulo de homeopatia (remédio).

Ao verificar as reações características das crianças após tomarem os remédios diluidos, e a subsequente melhora das crianças com o desaparecimento gradual dos sintomas, ele constatou, inequivocamente, a relação causativa entre estas substâncias toxicas e o desenvolviento do autismo.

Portanto, depois de tratar mais de 300 crianças ele concluiu que o autismo é um conjunto de diferentes causas, sendo, na opinião dele, em 70% por causa de substâncias tóxicas como as vacinas, 25% por medicacão e outras substancias tóxicas e 5% por causa de doenças virais.

Tinus Smits descreve a terapia com detalhes no seu livro Autism: Beyond Despair.
 
O meu filho é autista, achei este tratamento interessante mas ele nunca teve nenhuma reação a nenhuma vacina, talvez ele não precise. Como esta terapia pode nos ajudar?

As reações imediatas, aparentes, ‘as vacinas como febre, não são necessariamente as mais sérias. A criança pode vir a sofrer problemas resultantes das vacinas muito tempo depois de as ter tomado. Portanto a falta de reação imediata (aparente) não significa que a vacina não tenha afetado o sistema imunológico da criança. (o meu filho por exemplo, nunca teve nenhuma reação a nenhuma vacina na época, nem febre, e reagiu bastante na desintoxicacao da Triplice Viral)

Como é feita a desintoxicação?

Na primeira consulta com o homeopata, e' feita uma lista de todas as vacinas e antibioticos que a crianca tomou; anestesias que a mãe tomou no parto, vacinas e antibioticos que a mãe tomou durante a gravidez, e vacinas e antibioticos que os pais tomaram antes da gravidez. De forma geral, os homeopatas costumavam desintoxicar da ultima substancia para a primeira. Ou seja, se a ultima vacina foi a BCG quando a criança tinha 2 anos de idade, esta sera a primeira a ser desintoxicada e dai sucessivamente, até o nascimento da criança. Mas hoje em dia muitos homeopatas o fazem de forma aleatoria.

A criança toma determinada vacina em formato homeopático durante rodadas de 4 semanas. Em cada semana ela toma a vacina em potências homeopaticas diferentes, 30C, 200C, 1M e 10M. 

Ela vai tomar cada potência 2 vezes por semana, as segundas e quintas-feiras. Cada potencia trata os diferentes campos físico, mental e emocional da criança. Pode haver várias rodadas de um mês cada, com um descanso de 2 semanas entre rodadas. Para as substâncias cuja reação foi óbvia na época (por ex., depois de tomar a vacina os pais tem certeza que a criança piorou) em que a criança tomou, a rodada pode ser de 8 semanas (sendo 2 semanas para cada potência). Ou o homeopata pode decidir que a criança fique tomando uma potência sem prazo fíxo até quando não mostrar mais nenhuma reação. 

O objetivo da desintoxicação é chegar ao ponto em que a criança toma um remédio e já não mostra mais nenhuma reação, sinal que a cura completa para aquela substancia aconteceu no corpo da criança. 

Uma vez que todas as substancias forem desintoxicadas, o homeopata pode voltar para a homeopatia unicista e terminar de ajudar a curar os sintomas remanescentes porque dai ele sabe que nao ha mais nenhuma substancia bloqueando o efeito dos remedios homeopaticos unicistas.

Quanto tempo costuma demorar o tratamento todo?

Os homeopatas costumam ver resultados muito variados de criança para criança, mas em média, para se chegar a um ponto mais próximo da recuperação total, a criança vai precisar fazer a terapia por quase 3 anos. Muitas vezes demora meses para a criança desintoxicar uma unica vacina. Os resultados positivos costumam aparecer ja desde os primeiros meses, mas a terapia é lenta.

Isso quer dizer que o meu filho será recuperado de todos os sintomas de autismo?

Não existe nenhum certeza de que o seu filho será recuperado completamente do autismo, mas a experiência dos terapeutas tem demonstrado que as crianças sempre se beneficiam da terapia, e que tem uma melhora gradual de alguns sintomas, em maior ou menor medida. E algumas crianças se recuperaram totalmente. O terapeuta é incapaz de prever que progressos a criança vai ter e qual desintoxicação vai ajudar mais, so fazendo a desintoxicacao para saber. Por isso, com a terapia é preciso desintoxicar TODAS as substâncias tóxicas as quais a criança esteve exposta. Se os pais não se lembrarem de todas as substâncias tóxicas (é possivel desintoxicar os efeitos do plastico da mamadeira esquentada no microondas, é possivel desintoxicar os efeitos de anestesias durante o parto, e ate as vacinas que os pais tomaram), ou desistirem do tratamento no meio, o homeopata não terá desintoxicado todas, e talvez não se tenha encontrado a raiz maior do problema.

O quadro do meu filho pode piorar se eu tratá-lo com a terapia CEASE?

De jeito nenhum. A criança só reage ao remédio homeopatico de desintoxicação, por ex. o antibiotico amoxicilina, quando a amoxicilina causou DE FATO alguma lesão. Quando uma vacina não causou nenhuma lesão, a criança toma a vacina em formato homeopatico e não tem nenhuma reação. Todas as reações são chamadas de CRISES DE CURA, as reações são bem-vindas, a reação é sinal de que a criança está sendo curada de alguma forma.

Você falou que as crianças tem reações quando tomam os remédios, que tipo de reações elas têm?

Eles costumam ter reações de cura típicas da homeopatia, que são febre, cansaço, diarreias, o nariz escorre, aparecem erupões na pele. A homeopatia acredita que o nosso corpo se desintoxica por essas vias como nariz, pele, é tudo sinal de desintoxicação. As crianças também podem ficar mais irritadas, mais teimosas, ter mais birras, mas todas as reações, sejam elas físicas ou comportamentais, costumam durar poucos dias e SEMPRE passam depois de alguns dias. As reações são sempre um excelente sinal, de que a criança está se curando e o corpo está se desintoxicando.

A terapia CEASE é capaz de tratar bacterias, fungos e principalmente acumulo de metais pesados?

Tem-se verificado na pratica que a terapia CEASE acaba tratando bacterias e fungos e ajuda na quelação de metais pesados. Uma mãe fez exame de metais pesados no filho antes de iniciar a terapia, e repetiu os exames 2 anos depois ainda fazendo a terapia, e viu que os niveis de mercurio no corpo do filho passaram de 80% a 12%, sem nenhum outro tratamento.

Eu posso manter o remedio psicotropico do meu filho enquanto ele faz a terapia CEASE?

Eu acho difícil. É bem provável que a terapeuta venha a querer desintoxicar o remédio psicotropico no futuro, porque remédios psicotrópicos são tóxicos, então quanto mais cedo a criança parar de tomar remédios, melhor para ela.

Eu posso manter o meu filho no protocolo DAN enquanto ele faz a terapia CEASE?

Eu entendo que sim, a criança pode continuar tomando os suplementos.

O mesmo remédio de desintoxicação (vacina ou antibiotico) é prescrito durante meses enquanto a criança continuar reagindo a alguma das 4 potências. Como a criança somente pode terminar uma desintoxicação e passar para a seguinte quando parar de reagir a todas as potências,  para os pais fica dificil saber o que está causando determinadas reações se a criança estiver fazendo algum outro tratamento, paralelamente, que cause reações também, como por exemplo o uso de algum antifungico.

Não é recomendado fazer nenhum tratamento que possa provocar reações negativas ou positivas na criança ao mesmo tempo, para não causar confusão na hora de avaliar os efeitos de cada remedio das desintoxicações da CEASE.

Como eu faço para achar um homeopata que seja certificado para fazer terapia CEASE?

Todos os homeopatas certificados estão listados no website www.cease-therapy.com, no menu MAKE AN APPOINTMENT (marque uma consulta). Os homeopatas devem ser certificados para aplicarem CEASE nos seus pacientes. Se o nome do homeopata não estiver lá, ele não é certificado.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

3a. rodada de desintoxicação da Triplice Viral - SCR (Sarampo, Caxumba e Rubeola)

Feliz 2013 a todos.

Eu gostaria de ter atualizado o blog antes mas tiramos um mês de férias no nosso querido Brasil e voltei há pouco tempo. Foi ótimo estar perto da familia e tive um apoio maravilhoso de todos. Eu estava mesmo precisando do amor e da tranquilidade de estar num meio social sem olhares e censuras, somente aceitação e ternura. Sofremos muito no ano passado e estou tentando entrar no 2013 com a mesma fé e esperança, e torcendo para maiores progressos aconteçam!

Estamos na 3a. rodada de desintoxicação da triplice viral do sarampo. As reações tem sido minimas. Ás vezes eu percebo que ele está reagindo ao remédio porque de repente tem uma prisão de ventre braba, como teve por 6 dias no fim da primeira rodada. A homeopata disse que ele estava tendo agravações por causa da última dose 10M e me pediu que cortasse o efeito do remédio dando uma colherinha do mesmo remédio diluido em agua a cada hora. E PRONTO, a prisão de ventre resolveu na 4a. colherada! A homeopatia é incrivel.

Estamos no meio da terceira rodada. Ele teve um salto cognitivo importante nestes últimos 2 meses que começaram justamente durante a primeira rodada.
- de repente passou a ter interesse por quebra-cabeças de 2 e 3 peças, está hoje fazendo de 12 peças. Mais do que nada, pelo menos ele gosta de ficar brincando com o quebra-cabeças, o que alivia um pouco os constantes pedidos de DVD quando ele está em casa.
- ele também passou de não ter o menor interesse por jogos de memória, a faze-los facilmente, com varias peças.
- era impossível conseguir um minuto da concentração dele para ler um livro. Hoje em dia, todas as noites eu leio 3 ou 4 livrinhos para ele, que ele mesmo pede. Ele ri com a historia, aponta com o dedinho os personagens.
- a mania de esconder objetos embaixo do sofá e móveis sumiu quase por completo.
- ele estava com uma mania dificil de não aceitar determinadas roupas e cores, estava dificil até para colocar casaco em dias frios. Graças a Deus não temos mais problemas com casacos, luvas ou gorros!
- a noção de perigo - que ele tinha pouca - melhorou. Agora ele nos segue mais com os olhos para ver onde estamos sempre e é mais receoso, e nao sai correndo sem olhar para tras como antes.
- de forma geral ele parece estar mais presente, respondendo cada vez mais ao nome e com contato visual maior. Certamente ainda pode progredir mais, mas esta impressão de que ele está presente é sempre positiva.

O Oliver acabou de cumprir 3 anos de idade. Quais são os nossos desafios ainda?
Muitos. Ele continua sem falar. Ele continua sem mostrar imaginação. Ele sociabiliza pouquissimo (embora na escolinha tenha 1 ou 2 amiguinhos preferidos que ele não empurra pra longe quando se aproximam). É dificil mante-lo sentado na mesa de um restaurante sem uma distração que costuma ser o celular ou um tablet.

Qual é a nossa situação hoje em comparação a um ano atrás?
- Ele antes não ficava na escola mais de 1 hora e meia e chorava ao lado da porta querendo ir embora, hoje em dia vai com tranquilidade e fica lá super bem.
- Ele aceita comer praticamente qualquer coisa, antes era mais seletivo, embora sempre tenha comido bem.
- Ele tinha alguns problemas sensoriais sutis, não gostava de me dar a mão na rua, já teve manias com roupas, e isso tudo passou totalmente.
- Ele era muito mais irritavel, e hiperativo de forma geral, acalmou muito.
- A afeição conosco melhorou 1000%, principalmente comigo. Há um ano atrás eu colocava ele no berço, e quando pedia um beijo de boa noite, ele ficava olhando para o teto como se eu não estivesse ali. Hoje pega no sono todas as noites abraçado comigo na minha cama enquanto eu canto uma musiquinha pra ele.  É mil vezes mais apegado.
- a atenção e concentração dele melhoraram MUITO. Por exemplo, no começo do ano ele assistia 5 segundos do DVD e queria troca-los de forma intermitente. Hoje em dia assiste o filme inteiro (os filmes preferidos) e gosta que eu leia pra ele (os livros preferidos).

Foi tudo isso graças a homeopatia? E´ dificil dizer ao certo o que ajudou mais e no que, mas eu acredito na homeopatia e tenho certeza que contribuiu muito em todo este processo. As intervenções que usamos durante o ano que passou foram:

- homeopatia desde o começo de 2012
- osteopatia mensal desde o começo de 2012
- terapia CEASE propriamente desde maio 2012
- Dieta restritiva tipo SCD e GAPS desde julho de 2012. Nós fizemos uma introdução da dieta muito curta para eu ser capaz de avaliar os beneficios desta dieta. Só posso dizer que nossa dieta hoje é mais restritiva do que SGSC porque além de não comer laticinios  nem comer nada que contenha gluten, ele não come graos como arroz ou quinhoa, nem batata, nenhum doce. O meu filho basicamente come qualquer proteina animal com verduras e legumes (principalmente abobora no lugar de batata), feijão preto (não carioca) e lentilha. Frutas, só banana porque estou tendo dificuldade em encontrar algo pra ele comer no lanche (ou onde colocar o oleo de coco!). Na dieta dele foram introduzidas todas as gorduras saudaveis possiveis, desde banha de porco para fritar ovos, abacate na salada, e oleo de coco na banana. Eu costumo incluir proteina animal no café da manhã (ovos) e no almoço. Procuro dar somente carboidratos (verduras e legumes) na hora do jantar.
- TO+fono uma vez por mes, mas na semana que vem ele vai começar a fazer fono semanalmente
- massagem Qigong - da qual falei em outro post - que fiz com sucesso durante 2 meses e acho uma das intervenções mais bacanas de todas e a que eu pude realmente ver os resultados acontecendo. (E que infelizmente tenho tido dificuldade de fazer).

Os nossos próximos passos agora são fazer exame de sangue, cabelo, urina e de alergias para ter uma referencia de deficiencias minerais e quantidade de metais pesados. Eu inicialmente não pretendo seguir tratamento biomedico e dar mais suplementos do que os que já dou, que incluem  magnesio+zinco, vitamina C, mas somente depois da consulta com o médico serei capaz de dizer se fiquei tentada a tentar algum novo suplemento ou usar algum anti-viral...

NOTA: eu nunca fiz estes exames. Decidi fazer para fins de comparação. Uma mãe que está no grupo CEASE Homeopathy for Autism no Facebook nos contou há pouco tempo que os niveis de mercurio do filho dela eram de 80% e em 2 anos baixaram para 13% sem fazer quelação de metais com produtos quimicos. A criança não fez nenhum outro tratamento (nem dieta) além de terapia CEASE. O menino inclusive perdeu o diagnóstico de autismo há pouco tempo.

Temos uma consulta com um especialista super bem recomendado (Dr. Bob Allen em Windsor) que trabalha com reflexos primitivos mal desenvolvidos, veja explicação AQUI. Ele faz uma avaliação na criança e tenta determinar quais reflexos que deveriam ter sido desenvolvidos dos 3 meses de gestação aos 6 meses de vida não foram, e passa um programa para integrar os reflexos primitivos.  (pelo que sei, ele costuma passar uma massagem feita com um pincel).

No futuro quero tambem ver um terapeuta que trabalhe com Reorganização Neurologica. O terapeuta avalia as necessidades neurologicas da criança e passa uma serie de atividades para serem feitas durante meses que visam completar etapas neurologicas do desenvolvimento que não foram devidamente completas. Eu me interessei por essa terapia depois de ver este video maravilhoso que me enche de inspiração e que espero encha de inspiração a todas as mães sofredoras por ai.



Em casa tenho tentando deixar o wireless ligado o minimo possivel, por tudo que tenho lido sobre radiação eletromagnetica. Microondas, celulares, TVs e wireless fazem muito mal para nós seres humanos e muito mais para os nossos filhos especiais. Aliás, depois que eu li que o microondas destrói todos os nutrientes da nossa comida - que hoje em dia já tem muito poucos nutrientes - aposentei o microondas de vez. Não esquento nada no microondas. (É bem provável que eu esteja ficando paranóia com tudo isso. Mas infelizmente, é impossível trilhar outro caminho se eu quiser recuperar o meu filho...)

Terminando esta rodada de desintoxicação eu devo iniciar a desintoxicação da triplice da Difteria. Muitas mães contam que as crianças começam a falar ao desintoxicar a triplice da Difteria.

O dia em que o Oliver começar a falar, eu vou morrer de felicidade!! DEUS VAI NOS AJUDAR, EU SEI QUE VAI. Lá vamos nós, com muita dor, mas com muita fé!